sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Capítulo 38


Zac ia pelas estradas de Itália o mais rápido que podia. Aquela noticia o tinha deixado tonto, como ele nunca reparara que ela estava doente, como ele nunca vira. Agora sabia porque á meses atrás ela tinha caindo na piscina mesmo vendo a; não tinha noção da distância. Como é que ele nunca tinha visto, reparado? Esta era a pergunta que se fazia vezes de seguida. Também se perguntou varias vezes como um homem pode deixar uma mulher no momento em que ela mias presisa, de facto Alex não vale nada, abadonou Vanessa por ela estar doente, que homem faz isso; podem até não se amar mas sempre acreditou que existia uma certa amisade. Zac estava furioso, ela não deixava estar ao lado dela, por um marido que nem a ama. Que mulher complicada.
Greg: Zac que surpresa…- Abriu a porta com um sorriso, Zac estava pálido e com a respiração afogante. – Entra. – Ele entrou tentando se acalmar.
Stella: Zac boa noite. – Cumprimentou com dois beijos na face.
Zac: Boa noite pequena.
Greg: Diz me Zac o que se passa pareces nervoso, queres bebere alguma coisa?
Zac: Não eu estou bem, só vim mesmo para perguntar algo importante.
Greg: Diz.
Zac: É verdade que a Vanessa está doente? – Perguntou com a enorme esperança de ser tudo mentira e de ela estar perfeitamente bem.
Greg: Sim…- Seus olhos entreteceram como os de Stella, Zac pode perceber que era um assunto, serio. – Infelizmente a minha pequena contraio a doença, da minha falecida esposa
Zac: Mas como…onde é que ela está? – Se antes estava nervoso agora ainda estava muito mais.
Greg: Quanto á doença, ela foi para fora uma clínica e lá teve certesa…ela já tinha desconfiança, via coisa, e perdia as vezes a noção.
Zac: Mas a empresa ela já lá não trabalha?
Greg: Ela bem queria, mas eu não deixei… mais ou menos aquela rapariga é muito convincente, passou as empresas para minhas mãos, mas á negócios a maioria ainda passa por ela…diz que o trabalho a entretêm.
Zac: Responda me só a mais uma coisa, onde é que ela está?
Greg: Não sei. – A cara de Zac contraio.
Zac: Como não sabe? – Quase gritou, mas Greg não ficou zangado persebeu a angústia dele.
Stella: A Vanessa não é uma mulher de sentimentalismos, ela afastou se para não sentirmos pena, ou para não ser um transtorno para nós.
Greg: Imagina este absurdo uma filha minha alguma vez ser um transtorno para mim.
Zac: Pois ela sempre foi assim, muito afastada, mas a sua vida, se ela já não tem a empresa com o que vive?
Greg: A Vanessa sempre foi uma mulher poupada ela tem dinheiro suficiente, para ter uma vida confortável. – Zac caio no sofá exausto.
Zac: Fiquei na mesma, sem saber de nada. – Alem de exausto estava triste queria estar com ela e não podia.
Stella: Eu sabia. – Sorrio.
Greg: Nós sabíamos. – Falou depois sorrindo da mesma maneira, Zac esse é que não percebeu.
Zac: Sabiam do que?
Stella: Tu e a Vanessa, estão apaixonados. – Zac se levantou levemente corado.
Zac: Não, nada disso…
Greg: É que nem tentes, disfarçar vê se a léguas.
Zac: Pronto está bem então, é verdade eu amo a sua filha, mais que tudo, amo a tanto que até sinto o meu coração apertar por vezes, mas tudo isto, porque ela nem olha para mim, meus coração sofre todos os dias, por uma mulher que me ignora.
Stella: Não te deixes enganar…- Aconselhou Zac de olhar serio. – A Vanessa pode parecer fria, alguém com o coração gelito mas na verdade o seu coração é bem quente, ela é assim por dentro. Mas não o demonstra, nem tudo o que sai da boca dela, é a verdade na maioria das vezes é o que ela não sente.
Zac: Espero que seja mesmo assim, mas eu não sei onde ela está.
Stella: Eu posso te ajudar, vai ter a está morada…- Ela entregou lhe um papel. – É a casa da Manuela ainda trabalha para Vanessa é a inica que sabe onde ela mora. – Zac pegou no papel beijando a testa de Stella.
Zac: Obrigado pela ajuda.
Greg: Se souberes de alguma coisa avisa. – Apertou a mão a Zac.
Zac: Esteja descansado assim farei. – Voltou a sair para seu carro, e saio de voltas aquelas estradas, não demorou muita a bater na porta da senhora.
Manuela: Zac, menino que faz aqui? – O abraçou Zac contribui. – Que saudades.
Zac: Também tinha saudades suas. – Se afastou do abraço.
Manuela: Mas mais uma vez perguntado o que faz aqui a está hora?
Zac: O que me trouxe aqui foi a Vanessa, eu sei que sabe onde ela mora… diga me onde ela está.
Manuela: Desculpe, mas não posso.
Zac: Por favor. – Se ajoelhou ali á porta de Manuela, ela logo o levantou os vizinhos só olhavam.
Manuela: Perceba, eu não posso mesmo.
Zac: Ao menos diga me como ela está.
Manuela: Triste, sozinha… não sei até da me pena de ver.
Zac: Precisamente, ajude me a ajuda-la a ela, vá lá eu sei que a adora, e que quer o melhor para ela.
Manuela: E o menino é o melhor para ela?
Zac: Mesmo que não fosse, sempre o tentaria ser, porque a amo.
Manuela: Tudo bem, eu sou uma romântica incurável e o vosso amor é tão lindo…- Falava enquato escrevia no papel. – Tome está aqui é ai que ela vive.
Zac: Eu fico lhe muito agradecido pela sua ajuda. – Pegou nas mãos dela e a beijou, e saio o mais rápido que pode.
A morada não era muito longe, depressa lá chegou, aquela rua onde as casas eram mais discretas do que a ultima que ela tinha tido. Zac parou o carro por ali, e a pode ver entrado em casa, mas decidiu que era muito tarde para a chatear tentaria amanhã, por hoje iria só olhar de longe para ela. Sempre era melhor do que nada, já que o que os olhos não vêm coração não sente, ele segui o provérbio mas ao contrário, olhou para ela para o seu coração sentir. Podia ver como ela estava diferente, a sua pele mais pálida, umas olheiras profundas. A vista que tinha de quando ela se sentou numa cadeira na varanda era muito boa, podia ver tudo por completo. Até pode ver o sorriso que continuava intacto enquanto lia um livro, aquele sorriso, mas ninguém o tinha era mesmo só dela e lindo. Vanessa podia estar perdida entre milhares de mulheres que Zac acreditava encontra-la na mesma, ele amava a tanto, mas e o medo que sentia de ela voltar a virar lhe as costas. Por momentos teve receio de ir ter com ela. Por momentos teve vontade de ir embora, mas não foi, ele prometeu que não sofreria mais por ela, mas não se conseguia afastar, muito, mesmo nada. Mesmo que ele lhe partisse o coração ele estava ali sempre que ela precisa se, ele estaria ao lado dela.
 E agora? Vanessa está doente e Zac mais apaixonado que nuca, será que ela o vai aceitar, ao seu lado?
Respostas ao comentário…

Margarida: Podia ter acontecido muita coisa, mas os sentimentos não desaparecem assim, mesmo que se queira; Obrigada por comentares.
 ♥Lais♥: É a afama subiu lhe de mais á cabeça, mas bastou falar em Vanessa que ele logo se esqueceu disso, vamos ver por quanto tempo; Obrigada por comentares.
Thaina266: Ainda bem que gostaste; Obrigada por comentares.
Stephanie_95_7: Agora mesmo que não queira demostrou que ainda gosta e muito dela; Obrigada por comentares.
Também agradeo a quem carrega nos pequenos quadrados J

7 comentários:

  1. (primeira a comentar , eeeeeeeee)
    AAAAAAAAWN!
    VALEU MANOELA , Ú.U
    AI O QUE O AMOR NÃO FAZ! '*-*
    Tomara que ela não dê as costas a ele , quando ela está mais precisando não pode ser fria! =(
    Cap ótimo!
    Posta logo
    Bjinhos ;*

    ResponderEliminar
  2. iiiii eu digo que ela
    não vai aceitar não ela
    vai pensar que ele quer ficar com ela
    por pena! own amei o que a manuela
    disse; eu acho que se ela virar
    as costas pra ele vai ser a gota d`àgua
    amei posta logo bjs

    ResponderEliminar
  3. Estou ansiosa para saber como vai ser o encontro deles..
    E como ela vai reagir ao vê-lo, se vai virar-lhe as costas ou não!!
    Amei o capítulo, está muito bom
    XOXO

    ResponderEliminar
  4. ta super lindo
    to super ansiosa para o proximo
    e não tenha duvidas to amando ...
    beijos
    posta logooo

    ResponderEliminar
  5. Own Q fofo correndo atras do verdadeiro amor.
    Acho q seria dificil a Vanessa virar-lhe as costas ja q agora ela ta sozinha e triste. Ela prescisa dele para a alegrar.
    Bjss Posta logo por favor

    ResponderEliminar